Quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Pesquisa no site:

Artigos




Mudanças na forma de VOTO

Lauro Oliveira Lima (06/05/2009)

Querem terminar com a Democracia

Não podemos aceitar este tipo de mudança que esta sendo proposto sem que seja consultada a população. Não são os 500 e tantos deputados e menos de 100 senadores que devem dizer como cada eleitor deve votar. O eleitor não é incompetente para escolher seus candidatos e a reforma que estão querendo fazer diz exatamente isto: deixem que nós escolhemos a ordem de quem deve entrar.

A nova proposta de votação que esta em andamento na Câmara dos Deputados amplia sobremaneira o poder dos partidos e tira do eleitor o direito de determinar, através do voto, a ordem que quer dar aos candidatos eleitos ou não. Na forma atual, que já é muito ruim e a população, na sua maioria, não sabe, quando se vota em um candidato na verdade está se votando, às vezes, apenas na legenda do partido do candidato (caso dos candidatos não eleitos). Mas, no caso de candidatos com bastantes votos, mesmo não sendo eleito, o eleitor mostra ao partido e à sociedade, a força do seu canditado. Como esta sendo proposto não vai deixar espaço para novos candidatos e os caciques dos partidos políticos vão determinar a ordem dos amigos que serão eleitos e, muito provavelmente, os favores que terão que serem feitos para se obter esta vaga. É amoral. Vamos aproveitar a abertura que foi feita com esta proposta indecente e acabar de vez com o voto de legenda. O voto de legenda é um resquício da ditadura militar que sobreviveu por conveniência dos partidos. A população deve lutar para que seja eleito o candidato mais votado na ordem direta dos votos. Não é certo seu candidato, às vezes com milhares de votos a mais que outros candidatos, seja preterido por outro só porque algum candidato famoso de outro partido fez uma grande quantidade de votos e assim trouxe com ele candidatos insignificantes (vide o caso, sério, do candidato Enéas que, ao ser eleito, colocou 5 (cinco) deputados federais em Brasília, um com apenas 150 votos em detrimento a candidato que com 65000 votos não entrou). O importante não é votar em partidos, mas sim votar em PESSOAS. Deveriam entrar, e a maioria da população imagina que é assim, os candidatos na ordem direta dos votos que receberam, independente de partidos, primeiro o mais votado, em segundo o segundo mais votado e assim por diante até serem preenchidas todas as vagas.




Comentários


Nenhum comentário

Inserir comentário

Copyright 2011 - Col�gio Oliveira Lima - Todos os Direitos Reservados
REFFER